UM RELATO DE CASO SOB A ÓTICA DA UROLOGIA¹ – ISSN 1678-0817 Qualis B2 (2023)

CLEAR CELL RENAL CEEL CARCINOMA: A CASE REPORT FROM THE PERSPECTIVE OF UROLOGY¹

REGISTRO DOI: 10.5281/zenodo.7971729

Adolpho Ramsés Maia Costa2
Carlene Alves Feitosa3
Nayara Rocha dos Santos4
Jessica Reco Cruz5
José Edson Puerari Benevides6

RESUMO

Introdução: O carcinoma renal de células claras tem um processo evolutivo silencioso e um prognóstico cauteloso. Dentre os cânceres urológicos é considerado o mais letal, ainda que o percentual de morte dessa patologia tenha diminuído. Dentre os fatores de risco têm-se: o tabagismo, a obesidade e a hipertensão arterial, entre outros. O diagnóstico precoce, realizado por meio de sinais e sintomas e, sobretudo com exames de imagem, melhora o prognóstico. Objetivo: Relatar um caso de carcinoma de células renais claras em paciente de 54 anos com sintomas inespecíficos há 12 anos, com diagnóstico tardio, que foi submetida a uma nefrectomia radical, no Complexo do Hospital Regional de Cacoal/RO. Material e Métodos: Trata-se de um estudo descritivo, com base em coleta de dados primários, através da análise de prontuário da paciente, sob a autorização do Comitê de Ética em Pesquisa (CEP). Resultados: Mulher hipertensa e obesa grau II, com dor lombar difusa e inespecífica há 12 anos, sem histórico de tabagismo e etilismo compareceu com febre alta e mal-estar geral, além de história de crises renais, e exames de imagem comprovando presença de alterações renais como cistos e hidronefroses. Na tomografia computadorizada obteve-se o diagnóstico de displasia renal cística à esquerda e hidronefrose grave grau IV. A conduta da equipe de urologia foi cirúrgica, a partir da nefrectomia radical à esquerda aberta. Conclusão: O resultado do anatomopatológico constatou tratar-se de carcinoma de células renais claras sem sinais de metástase, sendo a cirurgia escolhida, resolutiva para esse caso em questão.

DESCRITORES: carcinoma renal, nefrectomia, urologia.

INTRODUÇÃO

O Câncer de Células Renais (CCR) é o sétimo câncer mais comum entre homens e o décimo entre mulheres, sendo responsável por 5% e 3% de todas as doenças malignas em homens e mulheres, respectivamente. No Brasil, a incidência desta neoplasia varia de 7 a 10 casos por 100.000 habitantes/ano (ONCOGUIA, 2019). O CCR apresenta baixa incidência em

indivíduos com menos de 40 anos e seu pico de ocorrência é observado entre os 60 e 70 anos. A proporção de casos entre homens e mulheres é de 1,5:1, sendo que homens são mais suscetíveis devido a fatores de risco estabelecidos, como tabagismo, hipertensão, obesidade e síndromes genéticas (como a síndrome de von Hippel-Lindau). Por outro lado, a manutenção de um peso saudável, a prática regular de atividades físicas, o consumo de frutas e vegetais e a interrupção do tabagismo são potencialmente protetores (BRASIL, 2022).

O carcinoma de células renais (CCR), também conhecido como hipernefroma ou adenocarcinoma de células renais, é um tipo de câncer que se origina no revestimento dos pequenos túbulos do córtex renal. Dentre os tipos de CCR, cerca de 70% a 80% são tumores de células claras (CRCC), 10% a 15% são carcinomas papilares (ou papilíferos), 3% a 5% são do subtipo cromófobo e 1% é de origem dos ductos coletores (Tumor de Bellini). Os demais tipos celulares são considerados extremamente raros, com prevalência abaixo de 1%. Essa doença apresenta-se, principalmente, por hematúria macroscópica (em 60% dos casos), dor no flanco (em 40% dos casos) e massa palpável no flanco (em 30 a 40% dos casos). No entanto, essa tríade de sintomas é encontrada em apenas 10 a 15% dos pacientes, e cada vez mais o diagnóstico é feito por meio de exames de imagem, como a tomografia computadorizada (TC), que é realizada para avaliação de hematúria isoladamente ou como achado incidental. Como a maioria dos casos é esporádica, quase metade de todos os carcinomas de células renais identificados é descoberta incidentalmente em exames de imagem realizados para outros fins (BRASIL, 2022).

Um diagnóstico precoce e preciso do câncer renal de células claras é imprescindível para um tratamento mais eficaz e um prognóstico mais favorável. Ademais, conhecer a classificação histológica do tumor e seu grau de diferenciação e graduação pode auxiliar no seguimento e no prognóstico do paciente (CUNHA, 2019).

O presente texto tem por objetivo relatar um caso de Carcinoma de Células Claras diagnosticado no Complexo do Hospital Regional do município de Cacoal, estado de Rondônia, Brasil, no intuito de difundir a experiência, destacando, também, a importância dos exames de imagem para melhor conduta diagnóstica e estadiamento da doença.

METODOLOGIA

Trata-se de um estudo descritivo, com base em coleta de dados primários, através da análise de prontuário da paciente, sob a autorização do Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) CAAE 65936722.8.0000.5298. A coleta de dados foi realizada por meio de pesquisa em prontuário e entrevista com a paciente, e os registros fotográficos do rim retirado em cirurgia de nefrectomia radical ocorrida em 06/07/2022. Durante os meses de janeiro e fevereiro de 2023 foi executada a pesquisa propriamente dita a partir da coleta de dados e, em março seguinte, síntese do relato de caso.

RELATO DE CASO

Anamnese

Paciente R.B., sexo feminino, 54 anos, parda, procurou o serviço de urgência e emergência do município de Cacoal pela queixa de febre alta recorrente, edema no corpo todo com ênfase em membros inferiores tipo 2 cruzes, dor lombar difusa e inespecífica moderada, cefaleia, náuseas, vômitos, acompanhada de mal estar geral sem fator de melhora ou piora. A paciente relatou que sofre com essas crises há 12 anos em um intervalo de 7 a 14 dias. Refere ainda que em crises álgicas nesse intervalo de tempo, a equipe médica solicitou exames de imagem que apresentavam alterações renais como cistos e hidronefroses. Não é elitista e nem tabagista. Possui como doenças prévias hipertensão arterial e obesidade grau III. Foi solicitado exames de imagem pelo Urologista de plantão.

Resultado dos exames de imagem

Ao decorrer das crises álgicas, foram realizados exames no serviço de radiologia do Hospital Regional de Cacoal/RO – HRC. Em 18/05/2012, à tomografia computadorizada, obteve-se como hipótese diagnóstica: rim esquerdo com atrofia de parênquima por acentuada hidronefrose com presença de cálculo obstrutivo medindo 33 mm. Em 26/06/2022, a tomografia computadorizada imprimiu a seguinte hipótese diagnóstica: 1) cálculo impactado em ureter distal esquerdo, causando megaureter e hidronefrose acentuada (grau IV) à esquerda e 2) densificação dos planos adiposos adjacente ao rim e sistema coletor esquerdo, inferindo processo inflamatório local, além de linfonodomegalias na região peri-hilar renal esquerda, medindo até 1,7 cm no seu menor eixo.

Conduta cirúrgica

Paciente em decúbito dorsal sob anestesia geral. Realizado assepsia e antissepsia e, posteriormente a isso, feita a incisão mediana transumbilical além de diérese por planos até a cavidade retroperitoneal. Foi realizado divulgação de toda cápsula getora e nefrectomia total após ligadura do pedículo renal mais ureter esquerdo. Ainda em tempo, foi praticada a drenagem da cavidade com dreno túbulo laminar posicionado em flanco esquerdo. Houve laceração grau 1 de baço, e cumprimento das práticas de hemostasia com fulguração além da revisão hemostática, lavagem da cavidade com soro fisiológico 0,9%, fechamento por planos. Em seguimento, foi realizado o curativo e encaminhada a peça (rim esquerdo) para anatomopatológico.

Figura 1 – Integrante de Equipe Cirúrgica logo após Nefrectomia Radical à esquerda

UM RELATO DE CASO SOB A ÓTICA DA UROLOGIA¹ – ISSN 1678-0817 Qualis B2 (1)

Fonte: Arquivo pessoal (2023)

Figura 2 – Rim esquerdo em escala de comparação ao afastador Doyen

UM RELATO DE CASO SOB A ÓTICA DA UROLOGIA¹ – ISSN 1678-0817 Qualis B2 (2)

Fonte: Arquivo pessoal (2023)

Resultado do exame anatomopatológico

Concluído em 11/07/2022, diagnosticou: 1) carcinoma de células renais de tipo células claras, com margens cirúrgicas livres de comprometimento neoplásico, sem invasão de estruturas adjacentes e da cápsula renal, com gradação nuclear (WHO/ISUP) 2, sem presença de células sarcomatóides, com hemorragia e calcificação presente e com estadiamento anatomopatológico pT1a pNx pMx, sendo: T1a – tumor menor ou igual a quatro centímetros no maior diâmetro restrito ao rim; Nx – linfonodos regionais não avaliáveis; Mx – presença de metástase à distância não pode ser avaliada; margens cirúrgicas livres (INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA, 2012).

Pós-operatório

Paciente comparece (20/07/2022) em 15º dia de pós-operatório com ferida operatória limpa originária por incisão mediana transumbilical, sem sinais de flogísticos. Em relação ao exame físico, paciente em bom estado geral, colaborativa, comunicativa, corada, hidratada, sem queixas recentes.

Realizou-se TC de Tórax como protocolo, em 12/08/2022, sob indicação clínica de estadiamento de neoplasia renal operada, que concluiu: 1) exame sem evidências de implantes secundários e 2) sinais de manipulação cirúrgica na loja renal esquerda e parede abdominal anterior como achado adicional.

Após a nefrectomia radical e o resultado anatomopatológico, a paciente foi orientada a continuar o acompanhamento do referido diagnóstico no centro de referência de oncologia da cidade. O monitoramento é fundamental para identificar complicações pós-operatórias, acompanhar a função renal e detectar recidivas locais e no rim contralateral, além da ocorrência de metástases. Geralmente, o tempo mediano para recidiva é de um a dois anos após o procedimento cirúrgico, mas é possível observar recidivas esporádicas após cinco anos. Portanto, é necessário estratificar o risco do caso para estabelecer o acompanhamento adequado. O tempo de seguimento geralmente preconizado é de 3 a 5 anos, com exames de imagem (TC ou RM de abdome, com ou sem contraste) sendo realizados mais frequentemente no primeiro ano (a cada três a seis meses) e, após, anualmente por cinco anos (BRASIL, 2022).

DISCUSSÃO

O Carcinoma de Células Renais apresenta-se clinicamente como uma tríade clássica composta por dor lombar, massa abdominal palpável e hematúria franca, contudo, essa tríade é rara (6% a 10% dos casos) e está correlacionada a tipo histopatológico neoplásico agressivo e a doença avançada; no caso da paciente em questão, no que se refere a isso, a sintomatologia encontrada foi a dor lombar difusa. Além desses sintomas, outras queixas atípicas não relacionadas ao sistema urinário podem estar presentes inicialmente, como nódulos cutâneos nas metástases cutâneas e metrorragia nas metástases vaginais, além disso, pode ocorrer o acometimento pancreático, possuindo características tomográficas de massas solitárias e hipercaptantes. Ademais, o envolvimento venoso é uma característica do CCR, com formação de trombo tumoral na veia cava inferior e veia renal e/ou invasão da veia renal, traduzindo um pior prognóstico ao paciente. Alguns pacientes com CCR apresentam manifestações de doença metastática. Os pulmões são o sítio mais comum de metástases em pacientes com CCR, as quais ocorrem em estágios mais tardios e indicam pior prognóstico. Cerca de 35% a 40% dos pacientes com CCR metastático apresentam metástases ósseas. Metástases hepáticas também são comuns em casos de CCR e têm piores resultados de sobrevida em comparação com pacientes com metástases em outros órgãos (REVISTA DE MEDICINA E SAÚDE DE BRASÍLIA, 2012).

Síndromes paraneoplásicas ocorrem em 30% dos pacientes com CCR sintomático. Muitas vezes, as síndromes paraneoplásicas podem ser o primeiro sintoma que o paciente apresenta e atuam como indicador da presença de uma malignidade oculta. Alguns sinais e sintomas de síndromes paraneoplásicas relativamente comuns são: anemia, hipercalcemia, disfunção hepática, febre, que ocorre em cerca de 20% dos pacientes e é usualmente intermitente, associada à sudorese noturna; anorexia; perda ponderal e fadiga. Assim, conclui se que a referida paciente apresentava-se com uma síndrome paraneoplásica, na medida em que queixava-se de episódios de febre, anorexia, perda ponderal e fadiga. Estes sintomas podem ter origem nas substâncias secretadas pelo tumor ou nos anticorpos que, ao reagirem com o tumor, acabam afetando outros tecidos do organismo (BRASIL, 2022).

Macroscopicamente, o CCR manifesta-se como uma lesão sólida, de cor amarelada, que pode apresentar graus variados de necrose, hemorragia e degeneração cística interna, principalmente em tumores de grande volume e crescimento acelerado. Na análise histológica, as células apresentam-se claras devido ao acúmulo de lipídios e glicogênio no citoplasma, e frequentemente, são encontradas células com citoplasma granular e osinofílico. Os achados de imagem refletem as características histopatológicas, mostrando lesões hipervascularizadas e heterogêneas, em decorrência da presença de necrose, hemorragia, cistos e calcificações, o que pode ser um sinal sugestivo de malignidade (MUGLIA; PRANDO, 2015).

A tomografia computadorizada é capaz de mensurar precisamente o tamanho da massa renal e avaliar o grau de envolvimento das estruturas adjacentes, permitindo a determinação do estadiamento do tumor. Com o avanço das técnicas de imagem, houve um aumento significativo dos diagnósticos incidentais nos últimos anos, o que resulta em um prognóstico mais favorável ao paciente, na medida em que esses tumores, em sua maioria, são de pequeno volume, pouco diferenciados histologicamente e apresentam baixo índice de invasão vascular, não comprometendo estruturas adjacentes, como ocorre, geralmente, quando se é feito o diagnóstico tardio, fato que aumenta as chances de ressecção cirúrgica curativa (MUGLIA; PRANDO, 2015).

CONCLUSÃO

O presente trabalho tem como premissa a defesa da utilização consistente de métodos de imagem que vão dos mais simples e acessíveis aos mais complexos, buscando a precisão diagnóstica e melhores resultados, juntamente com a avaliação do quadro clínico do paciente, podendo ser iniciado pela ultrassonografia como investigação de triagem, seguida da investigação com a tomografia computadorizada e, em alguns casos, o uso de ressonância magnética para delinear o plano e estágio da lesão, visto que trata-se de uma patologia com sintomatologia abrangente e por diversas vezes assintomática. Ademais, uma vez que o carcinoma de células renais não possui um sinal e sintoma patognomônico, fica evidente a necessidade da utilização da imagenologia para detecção de anormalidades nos rins, bem como o acompanhamento dessas alterações para que seja evitada a progressão desta, bem como um quadro metastático. Portanto, nota-se que, nesse relato de caso, a conduta cirúrgica foi resolutiva para o tratamento da paciente advindo do auxílio das tomografias computadorizadas.

REFERÊNCIAS

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS. Relatório de Recomendação nº 38: Carcinoma de células renais: tratamento com inibidores de tirosina-quinase. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. Diretrizes Diagnósticas e Terapêuticas do carcinoma de células renais. Brasília: Conitec, 2022. Disponível em: https://www.gov.br/conitec/ptbr/midias/consultas/relatorios/2022/20220601_ddt_ccr_cp_38.pdf. Acesso em: 29 mar. 2023.

CUNHA, Isabela Werneck da. Rim neoplasias: carcinoma de células renais. In: Sociedade Brasileira de Patologia, 5., São Paulo, 2019. Disponível em: https://www.sbp.org.br/manualde-laudos-histopatologicos/rim-neoplasias-carcinomacelulas-renais/. Acesso em: 29 mar. 2023

FERREIRA, R. A.; MARTINS, J. A. L.; JORGE, A. J. L. Carcinoma de células renais claras: um relato de caso. Revista Multidisciplinar em Saúde, Brasília, v. 4, n. 2, p. 46-53, 2019. Disponível em: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/rmsbr/article/view/3606/2211. Acesso em: 29 mar. 2023.

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA. Manual de estadiamento de tumores malignos. 2. ed. Rio de Janeiro: INCA, 2018. 200 p. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/inca/tnm2.pdf. Acesso em: 29 mar. 2023.

LECTÚRIO. Carcinoma de células renais. Disponível em: https://www.lecturio.com/pt/concepts/carcinoma-de-celulas-renais/. Acesso em: 29 mar. 2023.

MUGLIA, Valdair F.; PRANDO, Adilson. Carcinoma de células renais: classificação histológica e correlação com métodos de imagem. Radiol Bras., v. 48, n. 3, mayjun, 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rb/a/qhxhqqs4Jfr3MVG5pBtnFDt/abstract/?lang=pt. Acesso em: 29 mar. 2023.

ONCOGUIA. Estatística para Câncer de Rim. São Paulo, 2017. Disponível em: http://www.oncoguia.org.br/conteudo/estatistica-para-cancer-de-rim/6844/239/. Acesso em: 29 mar. 2023.

REVISTA DE MEDICINA E SAÚDE DE BRASÍLIA. Brasília: Universa, 2012. ISSN 2238-5339

1Trabalho realizado pelo
2Acadêmico do curso de Medicina, Uninassau Cacoal. E-mail: adolphoramses@hotmail.com
3Acadêmica do curso de Medicina, Uninassau Cacoal. E-mail: cfeitosa22@gmail.com
4Acadêmico do curso de Medicina, Uninassau Cacoal. E-mail: rocha.s.nayara@gmail.com
5Docente da Uninassau Cacoal. E-mail: jessica_ge18@hotmail.com
6Cirurgião geral e urologista Hospital Regional de Cacoal/RO. E-mail: jose-epb@hotmail.com

FAQs

Como saber o ISSN de uma revista? ›

O ISSN costuma ter uma boa localização: logo na capa ou embaixo do título da publicação. Quando as revistas têm seus próprios sites, o código costuma aparecer no cabeçalho ou nas notas de rodapé. Nos artigos científicos, o ISSN costuma ficar no mesmo lugar: no cabeçalho ou nas notas de rodapé.

Qual o Qualis da revista FT? ›

A RevistaFT é uma Revista Científica Eletrônica Multidisciplinar Indexada de Alto Impacto e Qualis “B2” em 2023.

Quais revistas publicam artigos científicos? ›

  • 1 ANAIS DA ACADEMIA BRASILEIRA.
  • 1 ANAIS DA ACADEMIA BRASILEIRA.
  • 2 REVISTA BRASILEIRA DE CIÊNCIA E.
  • 4 RBRH – REVISTA BRASILEIRA DE.
  • 8 REGA - REVISTA DE GESTÃO DE.
  • 10 REVISTA ÁGUAS SUBTERRÂNEAS. B4.
  • 12 RECEN - Revista Ciências Exatas e.
  • 15 CADERNOS SAÚDE COLETIVA. B5.

O que é uma revista B2? ›

B1 e B2: abrange os periódicos de excelência nacional; B3, B4, e B5: considera os periódicos de média relevância; C: contempla periódicos de baixa relevância, ou seja, considerados não científicos e inacessíveis para avaliação.

O que quer dizer a sigla ISSN? ›

International Standard Serial Number, em português Número Internacional Normalizado para Publicações Seriadas, é um código aceito internacionalmente para individualizar o título de uma publicação seriada.

Qual a diferença entre ISSN e DOI? ›

Para deixar mais claro, o que os diferencia é que o ISSN é usado para publicações seriadas, sejam esses jornais, anais, revistas e até blogs, científicos ou não, já o DOI é usado para identificação de objetos digitais em geral, mesmo que frequentemente seja usado para artigos científicos.

Qual o melhor Qualis de uma revista? ›

O Qualis Periódicos possui 8 classificações: A1, A2, B1, B2, B3, B4, B5 e C, com A1 sendo a classificação mais elevada que um periódico pode receber, e C, tendo a pontuação zero.

Como saber se a revista é indexada ou não? ›

Mas, para saber se a revista é indexada você pode procurar diretamente nas bases de dados. Algumas bases de dados são específicas de algumas áreas. Como o Medline que é exclusivo da área de saúde. Mas, para quem está interessado em uma base de dados mais ampla pode optar por procurar o periódico desejado na SciELO.

Quais revistas têm Qualis? ›

Qualis 2017-2020
ISSNPeriódico - Nome da Revista CientíficaEstrato / Qualis
2238-5533AMBIENTE & EDUCAÇÃO: REVISTA DE EDUCAÇÃO AMBIENTALA3
1809-4422AMBIENTE & SOCIEDADE (ONLINE)A2
2532-6724AMÉRICA CRÍTICAB1
1533-3175AMERICAN JOURNAL OF ALZHEIMER'S DISEASE AND OTHER DEMENTIASB1
136 more rows

Qual a melhor revista científica do mundo? ›

Science. A Science é, provavelmente, a revista científica mais conhecida do mundo. Sua primeira publicação ocorreu no ano de 1880. Desde então, divulga descobertas e pesquisas originais de ciência e tecnologia, dos mais variados ramos, abordando também assuntos como política e sociedade.

Quais as revistas científicas mais conceituadas? ›

Confira os links das publicações que separamos para você:
  • The Lancet.
  • Science.
  • The New England Journal of Medicine.
  • Scientific American.
  • Ciência & Saúde Coletiva.
  • Academia Brasileira de Ciências.
  • Sociedade Brasileira de Medicina Tropical.
  • Genetics and molecular research.

Como saber se o artigo já foi publicado? ›

O caminho mais curto para encontrar a produção de um determinado autor é via Google Acadêmico. Então vá ao scholar.google.com e procure o título do artigo, o nome do autor ou o tópico de pesquisa.

Qual a diferença de Qualis B1 e B2? ›

B1 – Fator de Impacto entre 2,499 e 1,300; B2 – Fator de Impacto entre 1,299 e 0,001; B3 / B4 / B5 – São indexados em bases MEDLINE, SCIELO, LILACS etc, mas sem Fator de Impacto; C – Relevante, porém com peso zero.

O que é um artigo Qualis B? ›

O que significa ser “Qualis B-4”? Quem “somos”? O “Qualis-Periódicos”[2] é um sistema usado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) para classificar qualidade dos artigos e dos periódicos científicos, a partir de artigos efetivamente utilizados pelos programas de pós-graduação.

O que é Qualis Capes B2? ›

QUALIS é o conjunto de procedimentos utilizados pela Capes para estratificação da qualidade da produção intelectual dos programas de pós-graduação. Foi concebido para atender as necessidades específicas do sistema de avaliação e é baseado nas informações fornecidas por meio do aplicativo Coleta de Dados.

Como descobrir o DOI a partir do ISSN? ›

Por exemplo: 11.1111.1 / ISBN(ou ISSN) O prefixo/raiz DOI é nomeado pela IDF (International DOI Foundation), que garante que cada raiz é única. Os livros ou artigos publicados em periódicos, por exemplo, provavelmente utilizarão como sufixo o número que já consta do ISBN ou ISSN.

Quais são os tipos de publicação que podem receber o ISSN? ›

Publicações em PDF, cuja página (URL), seja disponibilizada com a extensão PDF; Folders, cartazes e hotsites; Publicações impressas do tipo: agendas, manuais, cartazes, livros, material didático, publicações com periodicidade definida, calendários e catálogos de exposição.

Quem fornece o ISSN? ›

O responsável pela emissão desse código é o Centro Brasileiro do ISSN, através do site do IBICT (Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia).

Quanto custa um ISSN? ›

O código ISSN será retroagido ao primeiro número. 7. Não são cobradas taxas para a emissão do código ISSN.

Como tirar o DOI? ›

Para solicitar um código DOI, você deve entrar em contato com agências que trabalham na emissão do do DOI, como uma editora, por exemplo. O custo varia bastante. As agências costumam cobrar um valor de anuidade, além do valor para emitir um DOI.

Quanto custa um DOI? ›

Já para solicitar o serviço, é preciso ser cadastrado, sendo o valor de R$ 290. O pagamento pode ser feito por depósito bancário, transferência, pela internet e boleto.

Para que serve o Qualis? ›

O Qualis Periódicos é responsável por avaliar a produção científica desenvolvida pelos cursos de pós graduação do país. Para isto, ele admite diferentes níveis de classificações para as revistas científicas, levando em consideração os artigos publicados nela.

Como é feita a classificação Qualis? ›

O Qualis-Periódicos é baseado nas informações fornecidas pelos programas da Área na plataforma Sucupira, ano a ano. Não é um conjunto de periódicos escolhidos pela coordenação como os melhores da Área. Refletem exatamente onde os docentes da Área têm publicado os resultados de suas pesquisas.

O que significa Qualis de revista? ›

O Qualis Periódicos é uma das ferramentas utilizadas para a avaliação dos programas de pós-graduação no Brasil. Tem como função auxiliar os comitês de avaliação no processo de análise e de qualificação da produção bibliográfica dos docentes e discentes dos programas de pós-graduação credenciados pela CAPES.

Como saber se uma revista científica é confiável? ›

Plataformas como SciELO, revistas científicas ou o portal da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) são algumas bases de dados confiáveis para você pesquisar. As fontes mais confiáveis são as revistas científicas e a maior parte delas pode ser encontrada na internet e de forma gratuita.

O que é o ISSN de um artigo? ›

O ISSN, Internacional Standard Serial Number, sigla em inglês, é a identificação por código de publicações seriadas, ou seja, que possuem periodicidade. Revistas, jornais e os nossos contemplados periódicos científicos são exemplos de publicações que podem receber ISSN.

O que quer dizer artigo indexado? ›

Ser indexada é, portanto, sinal de qualidade de uma revista científica. Partindo do princípio de que revistas indexadas cuidam de sua periodicidade e comprovam sua distribuição, um artigo publicado em revista indexada terá, naturalmente, mais visibilidade que outro, publicado em revista não-indexada.

O que é um artigo Qualis A? ›

O que significa publicar artigos em revistas Qualis A1? O Qualis é o sistema que a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) utiliza para classificar uma revista científica. É uma forma de mensurar a qualidade da produção intelectual dos periódicos.

O que é Qualis é fator de impacto? ›

O Qualis afere a qualidade dos artigos e de outros tipos de produção, a partir da análise de qualidade dos veículos de divulgação, ou seja, periódicos científicos. A classificação do Qualis, ao contrário do fator de impacto (que é um número), é representada por diferentes categorias (A1, A2, B1, B2, B3, B4, B5 e C).

Quando a revista não tem Qualis? ›

Estar ou não na lista do Qualis significa tão somente que algum dos alunos ou professores dos programas credenciados publicaram artigos naqueles periódicos. Do mesmo modo, o Qualis Periódicos não é uma base bibliométrica e não permite o cálculo de nenhuma medida de impacto dos periódicos nele incluídos.

Qual é a revista mais usada no mundo? ›

Lista das revistas com maior circulação no mundo
N.ºNome da revistaCirculação
1A Sentinela93.281.789
2Despertai!78.282.000
3AARP The Magazin+23.000.000
4AARP Bulletin23.574.328
1 more row

Qual é a revista mais vendida no mundo? ›

No mundo, o posto de revista de maior circulação pertence a A Sentinela, publicação das testemunhas de Jeová com tiragem superior a 40 milhões de exemplares bimestrais.

Qual a revista mais cara do mundo? ›

A modelo brasileira Juliana Martins fotografou um editorial de moda dedicado à marca Valentino para a revista Nomenus Quarterly. A publicação é considerada a mais cara do mundo. Cada edição tem preço variável. A atual, dedicada inteiramente à obra do estilista italiano, chega o mercado ao valor de US$ 6,5 mil.

Quais as revistas com maior fator de impacto? ›

Portal de Periódicos abriga títulos com maior fator de impacto do mundo
RankPeriódicoFator de impacto
1World Psychiatry40.595
2Lancet Global Health21.597
3Nature Climate Change20.893
4Psychological Bulletin20.850
6 more rows
Oct 9, 2020

Quais são as melhores revistas do Brasil? ›

Se no Brasil as três revistas de maior circulação são a Veja, Época, Exame e Caras, a nível mundial as revistas de maior circulação são a as revistas “A Sentinela” e “Despertai!”, ambas publicadas pela Watchtower Bible and Tract Society.

Qual foi a primeira revista científica do mundo? ›

O Philosophical Transactions da Royal Society of London, começou a ser publicado em 6 de março de 1665 e é considerado o protótipo das revistas científicas.

Como saber se estou sendo citado? ›

No Google Scholar é possível consultar o número de citações por artigo, na opçaõ “Cited By”, que surge junto de cada referência na lista de resultados e que permite a consulta das citações que determinado documento recebeu.

Como saber se o fator de impacto é bom? ›

Fator de Impacto é um método usado para qualificar as revistas científicas com base nas citações que ela recebe. O cálculo é feito somando-se as citações dos artigos recebidas no ano do cálculo do fator de impacto e dividindo esse número pela quantidade de artigos publicados nos dois anos antecedentes a esse cálculo.

Como funciona o novo Qualis? ›

O novo Qualis considera diretamente o ranking das plataformas SCOPUS e ISI Web of Science para gerar a classificação do periódico. A estrutura atual considera intervalos de A1 até A4 e de B1 até B4, atribuindo o melhor ranking entre as duas plataformas e entre as diversas subáreas que o periódico está vinculado.

O que é Qualis b3? ›

De acordo com a definição oficial: “Qualis é o conjunto de procedimentos utilizados pela Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) para estratificação da qualidade da produção intelectual dos programas de pós-graduação.”

Como saber o Qualis do seu artigo? ›

TUTORIAL PARA CONSULTA AO PERIÓDICOS QUALIS
  1. 1 – Acessar o site: sucupira.capes.gov.br e clicar em Qualis.
  2. 2 – Ler a mensagem do portal e clicar na confirmação de leitura.
  3. 3 – Selecionar uma das opções para consulta e recuperação do periódico desejado.
Jan 9, 2019

Como identificar o Qualis do artigo? ›

Para saber a classificação de um periódico acesse a Plataforma Sucupira , onde se encontra atualmente a ferramenta da Capes. Em seguida selecione a janela “Evento de Classificação” e escolha a mais recente versão da classificação Qualis, que é feita a cada quatro anos.

Quando sai o Qualis? ›

O prazo segue até 19 de janeiro de 2023. Para recorrer, é preciso apresentar fundamentos legais ou regulamentares aptos a justificar a necessidade de revisão dos resultados.

Como encontrar o ISSN de uma revista? ›

Consultar ISSN é bem simples. É só acessar o site do Centro Internacional do ISSN. Por lá, você consegue realizar a busca tanto pelo título da publicação como também pela numeração do ISSN.

O que quer dizer a sigla Capes? ›

A CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) é um órgão do Governo Federal do Brasil, ligado ao Ministério da Educação responsável por esse sistema de avaliação. “Na escala do mestrado, a nota máxima é 5.

Como encontrar o ISSN a partir do DOI? ›

Você consegue fazer essa pesquisa no site oficial do ISSN aqui. Basta inserir o código ISSN do que você deseja fazer a busca. Também é possível, nesse mesmo lugar, encontrar o ISSN de um título.

Quantos números tem o ISSN? ›

O código ISSN é composto por oito dígitos distribuídos em dois grupos de quatro dígitos cada, ligados por hífen e precedidos sempre por um espaço e a sigla ISSN, exemplo: ISSN 1018-4783.

Qual é a diferença entre ISBN e ISSN? ›

12) Qual a diferença entre ISSN e ISBN? O ISSN é atribuído somente às publicações seriadas. O ISBN é atribuído a livros ou a outras publicações monográficas.

Como verificar o DOI? ›

Verificar um DOI
  1. 1 Entrar no site da CrossRef.
  2. 2 Selecionar a opção “for libraries”
  3. 3 Clicar em “free DOI name lookup”
  4. 4 No final da página tem o “DOI query"
  5. 5 Insira o DOI, apenas o nome DOI.
  6. 6 Ao clicar em “Search” os dados do DOI aparecem.
  7. 7 Verifique os dados.
Mar 17, 2016

Como saber onde o artigo foi publicado? ›

Um dos mais conhecidos é o Arxiv.org (pronunciasse ar-cai-ve mesmo) que têm grande concentração na área de física, mas engloba outras áreas do conhecimento também. Recentemente no Facebook, Tiago Murakami solicitou esse artigo, bloqueado pela sua editora, acessível somente mediante pagamento.

O que é Qualis de um artigo? ›

O Qualis Periódicos é uma das ferramentas utilizadas para a avaliação dos programas de pós-graduação no Brasil. Tem como função auxiliar os comitês de avaliação no processo de análise e de qualificação da produção bibliográfica dos docentes e discentes dos programas de pós-graduação credenciados pela CAPES.

O que é ISBN e DOI? ›

ISBN, ISSN e DOI são três siglas criadas para identificar livros, revistas e documentos periódicos. O objetivo é simples: com elas, cada documento adquire autenticidade e facilita a sua identificação em qualquer lugar… do planeta!

Qual a diferença entre ISBN e registro de direitos autorais? ›

Enquanto o direito autoral protege o autor de uma obra, no caso de um livro, o ISBN é uma identificação universal da publicação. O registro de direitos autorais da InovaPictor não emite ou substitui o ISBN, pois trata-se de outro serviço, que é de gerar prova de anterioridade sobre uma obra.

O que é DOI ou ISBN no Lattes? ›

O DOI, “Identificador de Objeto Digital” é um padrão de letras e números, que serve para a identificação de documentos na internet. Livros, periódicos, artigos e imagens recebem uma espécie de “código” exclusivo.

Como conseguir o ISSN de um livro? ›

A emissão do ISSN é realizada pelo Centro Brasileiro do ISSN, coordenado pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT). A solicitação deverá ser feita pelo site http://cbissn.ibict.br/index.php/solicitar-issn.

Top Articles
Latest Posts
Article information

Author: Carlyn Walter

Last Updated: 06/11/2023

Views: 6521

Rating: 5 / 5 (70 voted)

Reviews: 85% of readers found this page helpful

Author information

Name: Carlyn Walter

Birthday: 1996-01-03

Address: Suite 452 40815 Denyse Extensions, Sengermouth, OR 42374

Phone: +8501809515404

Job: Manufacturing Technician

Hobby: Table tennis, Archery, Vacation, Metal detecting, Yo-yoing, Crocheting, Creative writing

Introduction: My name is Carlyn Walter, I am a lively, glamorous, healthy, clean, powerful, calm, combative person who loves writing and wants to share my knowledge and understanding with you.